Reportagem: Curso ensina necropapiloscopia a funcionários do IML


“Eu não sabia que a minha irmã havia sido identificada através da digital”, revelou Márcio Nakashima durante um dos encontros do I Curso de Treinamento em Perícias Necropapiloscópicas, realizado no primeiro semestre deste ano pelo Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo.

_midia_Imagem_00019037

A necropapiloscopia é a prática de identificação de cadáveres com o uso de desenhos e impressões de digitais. Em uma das aulas do curso, Márcio foi conhecer a atividade que permitiu identificar Mércia Nakashima, morta pelo ex-namorado em 2010. O corpo dela foi encontrado alguns dias depois em uma represa em Nazaré Paulista, no interior de São Paulo.

A professora do curso, a papiloscopista Olga Benário Vieira Araújo, que participou da identificação de Mércia, explica que mesmo um corpo sendo identificado por traços físicos – marcas de nascença ou até mesmo tatuagens –, por roupas utilizadas ou outros detalhes, é sempre indispensável o reconhecimento científico. “E é aí que entramos, para recolher as impressões digitais do corpo, esteja ele em perfeito estado ou já em decomposição, e fazer comparações com o objetivo de identificar a pessoa”, conta.

Ao todo, 84 atendentes de necrotério de diversas unidades do IML em todo o Estado participaram das aulas no primeiro semestre deste ano. O objetivo do treinamento foi o de aprimorar o conhecimento técnico dos profissionais, aumentando a qualidade do serviço oferecido pelo instituto. “É importante que, além do básico, tenhamos profissionais especializados para atuar em casos como desastres de massa”, explica o diretor do IML, Ricardo Kirche Cristofi, que atuou com Olga nas perícias do acidente do avião da TAM, em julho de 2007.

_midia_Imagem_00019036

Embora o reconhecimento em si não seja feito pelo IML, ter profissionais capacitados para recolhimento das digitais de forma correta ajuda no trabalho do papiloscopista, carreira ligada à Polícia Civil.

O aumento no número de profissionais que saibam recolher as digitais de cadáveres ajuda ainda a evitar que a pessoa seja enterrada como indigente, o que ocorre quando não há a identificação do corpo.

Papiloscopia

A ciência estudada no curso trata da identificação humana por meio das papilas dérmicas, que são os desenhos que estão nos dedos de cada pessoa. Dentro dessa área, existe a “necro”, que trabalha com digitais de mortos.

A papiloscopia estuda, além das digitais dos dedos (datiloscopia), as impressões das palmas das mãos (quiroscopia) e as dos pés (podoscopia).

A professora explica que “os desenhos digitais surgem no sexto mês de gestação e permanecem até a decomposição”, ou seja, eles permanecem com a pessoa até depois de sua morte. Depois que surgem, esses desenhos não se modificam e também são variáveis entre os dedos de uma mesma pessoa e de um ser humano para outro. “Até hoje, a ciência não encontrou digital que se repita.” E brinca: “Ainda bem!”.

Esses desenhos digitais surgem na derme, que é a camada mais profunda da pele humana, e se reproduzem na epiderme, que é a camada superficial. Nessa área é que a tinta vai para a impressão da digital em papel. “Na hora de colher a impressão, e necessário higienizar o dedo e secá-lo, pois o suor atrapalha e pode danificar o resultado final, borrando a tinta”, conta Olga.

_midia_Imagem_00019035

Mesmo com possíveis falhas na tinta, ainda é possível identificar as pessoas, já que para o perito confirmar se o corpo é de determinada pessoa, é preciso identificar 12 pontos específicos da impressão digital.

O estudo dos poros dos dedos – aqueles mesmos que liberam o suor – também ajuda, em último caso, quando não é possível comparar os pontos.

O trabalho requer bom conhecimento por parte do papiloscopista, pois é feito manualmente, um a um, com o auxílio de uma lupa.

Saiba como funciona o processo de identificação por digital na segunda parte da reportagem.


3 comentários sobre “Reportagem: Curso ensina necropapiloscopia a funcionários do IML

  1. A técnica exigem paciência.
    Um trabalho minucioso, os que dão mais trabalho são luvas cadavéricas
    Para driblar o suor é umidade um pouco de calcário ou cal.
    Participei de!um!curso aqui no meu estado. Am.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s