Reportagem: 43% dos latrocínios ficam sem solução em São Paulo


Uma pessoa morreu por dia em roubos durante as gestões de Alckmin, mas polícias só prenderam um a cada 48 horas

Quatro a cada 10 latrocínios ficaram sem esclarecimento no estado de São Paulo entre 2011 e março de 2018 – período em que Geraldo Alckmin era governador. Os dados da Polícia Civil foram obtidos pelo Reticência Jornalística por meio da Lei de Acesso à Informação.

Dos 2,5 mil casos registrados, apenas 1,4 mil foram solucionados pelas forças policiais (43%), seja com a identificação dos suspeitos ou com a prisão de envolvidos. O índice de resolutividade, entretanto, vem aumentando: era de 48% em 2012 e chegou a 63% em 2017.

O esclarecimento de um crime não significa que o culpado foi efetivamente punido. Isso porque, na fase policial, basta a identificação (por exemplo) para que o inquérito seja encerrado e remetido ao Poder Judiciário, para que este tome as providências seguintes.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) afirmou que a Polícia Civil “possui uma delegacia especializada que atua diretamente no combate a esse tipo de crime”. Essa unidade é subordinada ao Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

A pasta comandada por Mágino Alves Barbosa Filho não explicou, porém, o que está sendo feito para melhorar o indicador de resolução dos roubos seguidos de morte. Enquanto isso, em 87 meses, 2,6 mil pessoas morreram. Uma morte por dia, em média.

latrocinios

Prisões

Os flagrantes e as investigações sobre latrocínios em São Paulo resultaram em 353 pessoas presas nos anos de 2016 e 2017, pouco mais que a metade dos 686 casos registrados no período. Segundo a polícia, antes desse período não havia especificação desses dados.

Das prisões, 248 aconteceram no ano passado e 105 no anterior. Do total, 70% foram realizadas em cumprimento a mandados judiciais e três de cada 10 em flagrante. O flagrante está condicionado à maior presença policial nas ruas e acontece momentos após o crime.

Para o governo, “o trabalho tem sido intensificado com operações para reforçar o patrulhamento das unidades territoriais”. De acordo com a SSP, de janeiro a junho de 2018, foram presos mais 139 suspeitos de roubos seguidos de morte no estado (23% em flagrante).

presoslatrocinio.png

Crime em queda

Os latrocínios estão em queda há 12 meses em São Paulo. A diminuição do índice começou em julho de 2017 (9%) e se manteve até junho de 2018 (26%). Nesse período, a redução percentual mais expressiva aconteceu em janeiro: 41% a menos em relação ao mesmo mês de 2017.

Em todo o ano de 2017, o crime diminuiu 5% (de 352 para 334). Em 2016, porém, esses crimes patrimoniais aumentaram 2% (de 345 para 352). A comparação é sempre com o mesmo período anterior, considerando critérios de sazonalidade, como clima e turismo.

A pasta de Segurança atribui a diminuição às “políticas públicas desenvolvidas ao longo dos anos no combate aos crimes contra o patrimônio, especialmente os roubos”. A diminuição do latrocínio é um dos critérios para o pagamento de bônus a policiais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s